Notícias › 03/12/2018

Papa: “Ninguém lave as mãos diante das escravidões de hoje”

No dia 2 de dezembro é comemorado o Dia Internacional da Abolição da Escravatura, o tweet do Papa pede que “levantemos o véu da indiferença” sobre esta chaga.

Levantemos o véu da indiferença que pesa sobre o destino daqueles que sofrem. Ninguém pode lavar as mãos diante da trágica realidade das escravidões de hoje. #EndSlavery” é o que escreve em seu tweet deste domingo o Papa Francisco.

Mais de 40 milhões de escravos no mundo
Quase 70 anos após a aprovação da Convenção da ONU (02 de dezembro de 1949) sobre a eliminação do tráfico de pessoas e a exploração da prostituição, a dimensão desta chaga ainda é dramática: 40,3 milhões de escravos modernos forçados a trabalhar ou a prostituir-se, num volume anual de negócios de US$ 354 bilhões. Números que crescem e se alimentam por causa de regimes ditatoriais, guerras e fome, e do comércio global. De fato, muitos dos produtos que compramos e usamos no dia a dia, de smartfones a cosméticos e roupas, são fabricados por homens, mulheres e crianças forçados a trabalhar sob a ameaça da violência e, acima de tudo, em condições desumanas.

Um fenômeno com formas sempre novas
O Global Slavery Index 2018 (GSI2018), desenvolvido pela forte colaboração entre o Passeio Free Foundation, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) ea Organização Internacional para as Migrações (OIM), desenha um cenário que envolve constantemente a mesma categorias de pessoas: os pobres, os desempregados, migrantes, mulheres vendidas como prostitutas ou forçadas a casamentos forçados. Enquanto todos os anos, recruta formas diferentes e sutis de escravidão.

Mulheres escravas
De acordo com os dados de 2016, mais de 70% das pessoas na escravidão são mulheres e meninas, enquanto nos últimos cinco anos, 89 milhões de pessoas experimentaram alguma forma de escravidão moderna por períodos de tempo que variam de alguns dias a todo o período considerado. Esses números são subestimados porque se referem aos dados disponíveis, mas existem muitas lacunas devido à dificuldade de encontrar informações confiáveis em regiões importantes como o Oriente Médio e os países árabes. Lacunas que excluem do relatório formas críticas de escravidão moderna, como o recrutamento de crianças por grupos armados e o tráfico de órgãos.

Países com mais escravos
A escravidão, como sabido, é alimentada por guerras e regimes totalitários, e por esse motivo o país com mais escravos no mundo parece ser a Coreia do Norte: aqui uma pessoa em cada 10 vive na escravidão, forçada pelo Estado a trabalhar para o “bem da Pátria”. Em seguida, vêm Eritreia, Burundi, República Centro-Africana; e depois Afeganistão, Mauritânia, Sudão do Sul, Paquistão, Camboja e Irã. A escravidão não poupa países ricos como os Estados Unidos, Austrália, Reino Unido, França, Alemanha, Holanda e muitos outros países europeus, incluindo a Itália, onde o solo fértil para a escravidão acaba por ser o comércio e os fluxos migratórios.

Por Cecilia Sepia – Cidade do Vaticano

Disponível em Vaticano News

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.