Espiritualidade › 05/07/2018

O testemunho

Testemunhar um fato ou algum acontecimento exige real e profundo conhecimento da veracidade. Não poderá ser qualquer suposição e muito menos qualquer opinião. Será necessário ter a visão correta a respeito do que afirma.

Na convivência familiar e social sempre será exigida a sinceridade naquilo que alguém propõe afirmar como verdade. Não será fácil assumir a responsabilidade de certas afirmações. Qualquer que seja a posição a tomar exigirá fidelidade com a verdade e sinceridade com a consciência.

O testemunho poderá ser verdadeiro como poderá ser falso. Verdadeiro será aquele que se pronuncia a favor da verdade, mesmo que isso comprometa a própria vida. Temos inúmeros exemplos nos santos e nos mártires. Testemunho é, então, o mesmo que martírio.

Mas existe também os que testemunham falsamente. São os que buscam defender pretensos interesses financeiros, políticos ou religiosos. Montam esquemas tais que enganam a muitos e conseguem fazer da mentira uma suposta verdade. Mas, dias mais, dias menos, serão descobertos e terão que prestar contas.

O importante na vida espiritual é colaborar na orientação de tantas pessoas que estão em busca da verdade e da fé segura. Colaborar, não apenas com palavras e ensinamentos, mas com o testemunho de vida e de atitudes que expressem o contentamento de estar seguindo o Mestre.

Temos um exemplo corajoso em São Paulo que, de perseguidor dos cristãos, se tornou anunciador do Evangelho. E já no final de sua vida terrestre escreve ao amigo Timóteo: “Estou sendo oferecido em libação, pois chegou o tempo de minha partida. Combati o bom combate, terminei a minha corrida, guardei a fé”. (2Tm.4,6-8).

Coragem honrosa desse homem que, diante do apelo do Senhor, abandonou as honras e o poder desse mundo e se consagrou totalmente ao serviço do Reino de Deus. Mesmo caluniado, perseguido e aprisionado muitas vezes, não perdeu a coragem de testemunhar por onde andasse sua submissão incondicional à vontade de Deus.

Isso faz com que muitos dos que se afastam da religião por quaisquer motivos revejam suas atitudes e repensem suas decisões. Muitas vezes uma palavra mal interpretada, uma atitude mal-entendida, são suficientes para abandonar uma crença de longos tempos. Será que vale a pena agir dessa forma?  Não haveria outro caminho?

Penso, e com alegria, em tantas pessoas que, apesar de incompreensões e calunias, continuam firmes em sua fé, seguras em suas convicções religiosas e corajosas em testemunhar por palavras e atitudes as riquezas e as grandezas do Reino de Deus.

Penso com enorme otimismo que a humanidade aos poucos estará retomando sua religiosidade, estará voltando às suas tradições de origem cristã e transformará essa aparente indiferença numa espiritualidade alegre e feliz.

Penso com profunda convicção que essa humanidade, da qual fazemos parte, muito em breve estará celebrando solidariamente a convivência de etnias e classes, de crenças e de ideologias, de políticas e de filosofias. Todos à mesma mesa celebrando a mesma vitória do bem sobre o mal e da verdade sobre a mentira.

Publicado por: Frei Venildo Trevizan

Fonte: http://www.capuchinhos.org.br/artigos/detalhes/reflexoes/o-testemunho

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.