Notícias › 13/03/2018

O Centenário da Diocese de Luz e 160 anos da Paróquia de São Roque

À Conferência da Família Franciscana no Brasil

À Conferência dos Capuchinhos no Brasil

À Provincia da Santa Cruz – OFM

 

Caros irmãos e irmãs,

Graça e Paz no Senhor Jesus.

 

Celebrando o Centenário da Diocese de Luz e 160 anos de vida e missão da Paróquia de São Roque, nos municípios mineiros de São Roque de Minas e Vargem Bonita, estamos buscando parceiros que venham assumir conosco a alegria e os desafios de ser Igreja e de viver a missão evangelizadora nas terras da Canastra.

A seguir, apresentamos motivações, objetivos e compromissos de nossa proposta de trabalho pastoral para 2018 – 2019.

 

PLANEJAMENTO PASTORAL PAROQUIAL

 

OBJETIVO – Atender às exigências pastorais e sociais da Paróquia de São Roque de Minas, especialmente a mediação do conflito ambiental e social do Parque Nacional Serra da Canastra, à luz das diretrizes pastorais e evangelizadoras do Papa Francisco, expressas em sua Carta Encíclica “Laudato Sì”, como também da CNBB e da Diocese de Luz, assumindo a vida e a missão da Igreja a serviço do Reino de Deus na Canastra, onde a natureza geme aguardando a manifestação dos filhos de Deus (Romanos 8) e seu povo clama por vida com dignidade, justiça e paz.

JUSTIFICATIVAS – Percorrendo a paróquia, desde fevereiro de 2016, para atender as 16 Comunidades e outras tantas capelas, com uma extensão territorial de 2.500 km², levantamos uma AGENDA PASTORAL que nos parece adequada às demandas da vida e da missão da Igreja na Canastra, região de grande importância para a vida do país, como manancial e divisor de águas das Bacias Hidrográficas do Rio Grande e do Rio São Francisco.

Ao assumir a Paróquia, herdamos uma agenda paroquial com inúmeras missas e novenas; por outro lado, uma pastoral apática face às graves injustiças que, desde 1972, com a criação do Parque Nacional da Serra da Canastra, causam inúmeros danos materiais, sociais e psicológicos ao povo da região, tais como depressão, alto índice de suicídio e os males da pobreza indigna, como a desnutrição. A juventude não encontra condições de estudo e de trabalho, sendo obrigada a um ritmo de vida exaustivo durante o período de estudos.

À herança dos séculos passados, após a proclamação da República e separação da Igreja e Estado, acrescentaram-se devoções e novenas sobrecarregando as comunidades, sem fortalecer a vida comunitária e nem oxigenar a evangelização. Torna-se evidente que a renovação conciliar não fundamentou a ação pastoral, nesta região, a não de ser de forma superficial. O processo de formação na Fé atinge muito mal a algumas crianças e jovens numa catequese direcionada para a recepção dos sacramentos do Batismo, Crisma e Matrimônio.

Por outro lado, como sinais da profunda religiosidade de seu povo, os numerosos cruzeiros e capelas nos morros, as Folias de Reis e Congadas; as festas dos padroeiros em capelas ou casas de família com longa preparação, culminando com rezas revestidas de profunda devoção e com a confraternização dos alimentos partilhados nas jantas.

 

1 PROGRAMA

FORMAÇÃO NA FÉ, COMO PROCESSO PERMANENTE

OBJETIVO – O Processo de Formação na Fé nesta paróquia, constituída há 159 anos nos municípios de São Roque de Minas e Vargem Bonita, deverá ser percorrido e ministrado com referência aos valores culturais, sociais e religiosos do povo da Canastra, vivenciado nas famílias e em suas vizinhanças, associações e comunidades, ao longo de muitas gerações, visando contribuir para o surgimento de uma sociedade mais justa, fraterna e solidária.

O Processo de Formação na Fé tem como base primeira a Igreja doméstica com a tríplice missão, segundo a Conferência de Medellin: de formadora de pessoas, educadora na fé e promotora do desenvolvimento.

O conteúdo principal do processo permanente de Formação na Fé, inserido na realidade concreta da Canastra com suas belezas e agruras, seja o conhecimento das Sagradas Escrituras, pois ignorá-las é ignorar o próprio Cristo. Como outrora, os círculos bíblicos são determinantes no processo de formação inserido na vida da própria Comunidade.

O Rito de Iniciação Cristã de Adultos (Paulo VI), as diretrizes da Catequese Renovada e da Encíclica “Laudato Sí”, oferecem excelente roteiro para programa de formação de discípulos e missionários, nossa vocação batismal. Pelo Batismo somos todos ministros da Palavra, da Oração (ou Culto) e da Política (promoção do bem comum) na Igreja, na Família e na Sociedade, no pluralismo dos dons e ministérios.

PROJETOS :

1.1 – Formação de Catequistas para coordenar o processo permanente de Formação na Fé em Comunidade para a cidadania, ou seja, para que o discípulo e seguidor do Evangelho participem como sujeito da história na Família, na Igreja e na Sociedade, através do testemunho e do serviço ao Reino.

1.2 – Formação da Pastoral Familiar que capacite e motive a família a vivenciar sua tríplice missão, a partir da mesa em que toma assento, como Igreja Doméstica, para alimentar a união, celebrar a partilha e promover a solidariedade como sinal do Reino. Dentro deste objetivo, em diálogo e cooperação com a coordenação estadual, participamos do processo de implantação de uma Escola Família Agrícola na região.

1.3- Promover o Catecumenato, segundo o R.I.C.A, para as atuais “lideranças” das Comunidades da Paróquia, que as capacite e motive a dar um passo novo no testemunho, celebração, anúncio e serviço ao Reino da Vida em Comunhão neste momento crucial da história da vida no Planeta Terra.

1.4 – Formação de Círculos Bíblicos nas Comunidades e casas de famílias.

O Concílio Vaticano II já tinha insistido sobre o lugar da Palavra de Deus na vida quotidiana das pessoas e das comunidades. Ele tinha assumido por sua conta a significativa expressão “mesa da Palavra”. É importante suscitar encontros regulares em torno da Palavra, não em salão paroquial, mas em casa de um ou de outro, um pouco segundo o modelo desempenhado pela casa nos Evangelhos.

 

  1. PROGRAMA

CULTO OU VIDA DE ORAÇÃO DO POVO DE DEUS

OBJETIVO – Formar adoradores em espírito e verdade, eis a tarefa determinante para o ministério pastoral. Em todas as Comunidades seja celebrado o “Dia do Senhor”, segundo o Tempo Litúrgico, no contexto cultural, social e econômico da Canastra.

Cristo, Cordeiro de Deus, permanece em oração, imolado e glorificado, por todo sempre para a vida do mundo até que o Pai seja tudo em todos.

A oração, por excelência a Divina Liturgia, é fonte e cume da vida da Igreja. Tudo nasce da comunhão e tudo converge para a comunhão.

Observamos que a experiência de Deus, as manifestações religiosas e expressões de Fé da Comunidade Tradicional da Canastra poderiam ser objeto de uma teologia canastreira. O Papa Francisco tem insistido na teologia da religiosidade popular tão presente na vida e no itinerário da fé de nosso povo.

 

PROJETOS:

2.1 Formações de animadores e coordenadores do culto dominical, tarefa batismal a ser incentivada pelos ministros ordenados;

2.2  Formar Equipes de Liturgia e preparar subsídios para as mesmas;

2.3 Propor, capacitar e incentivar o culto na Igreja doméstica;

2.4 Implantar o Ofício Divino nas Comunidades;

2.5 Incentivar e promover a Leitura Orante da Bíblia;

2.6 Promover vigílias para maior fidelidade à missão em tempos e circunstâncias difíceis;

2.7 Promover celebrações nos cruzeiros na Quaresma e na Festa da Santa Cruz. E também celebrações ou meditações junto ao presépio e a manjedoura;

2.8 – Promover o culto Mariano centrado na meditação dos mistérios de Cristo (cfr Exortação Apostólica de Paulo VI).

 

3 PROGRAMA

SOLIDARIEDADE E COMUNHÃO

OBJETIVO – A participação na Mesa do Senhor nos compromete com a partilha do que somos e do que temos com quem está privado dos meios para viver com saúde e dignidade. No Banquete da vida todos devemos ter lugar ao redor da mesa. A Comunhão com Cristo nos compromete com o serviço da Justiça e da Paz, com a promoção dos direitos básicos da cidadania, com a preservação das fontes da vida e nãos nos permite cruzar os braços e ficar indiferentes diante da discriminação, exclusão social e marginalização. Prioritária a organização da Ação Social da Igreja na região a serviço da vida.

DESAFIOS: 

3.1  Pensar o Brasil de baixo para cima, para que o desenvolvimento seja em comunhão com as fontes da vida, justo e solidário para com tudo e com todos que vivemos e respiramos na Terra bendita, nossa Mãe em que fomos dados à luz e chamados a plenitude da vida no amor misericordioso.

3.2 A saúde, a dignidade e a cidadania do nosso povo clamam pelo nosso testemunho e serviço, com especial atenção à preservação do meio ambiente e à promoção da saúde através da educação alimentar e nutricional.

3.3 O fracasso ambiental e social do Parque Nacional Serra da Canastra exige profunda revisão da política ambiental e da legislação que a sustenta, à luz das diretrizes do que nos ensina o Papa Francisco na sua Encíclica Laudato Sí  sobre a grave crise climática.

 

CONCLUSÃO

Acreditamos que o exemplo e a intercessão de São Roque e de São Francisco de Assis, abraçando a senhora pobreza e cuidando dos feridos, nos ajudem a testemunhar e a viver o Evangelho, num mundo prenhe de cobiça e de corrupção; com uma vida simples e frugal, num mundo de concentração de riqueza e desperdício; com vida fraterna e solidária, num mundo de concorrência, exclusão e carreirismo; como trovadores da esperança e da fraternidade universal, num mundo violento e cínico.

Com esperança confiamos aos irmãos e irmãs enamorados da senhora pobreza, segundo o Evangelho de Jesus, abraçada por Francisco e Clara, sem glosa e com simplicidade, a colocar os dons com que foram abençoados, de forma eventual ou virtual, na proximidade e convivência ou à distância, para colaborar na restauração da integridade da criação e na promoção da dignidade humana nesta Serra da Canastra, majestosa e bela, sóbria e rica de dons preciosos e indispensáveis à vida, divisora de água das bacias hidrográficas do Rio Grande e do São Francisco, rio da integração nacional com quase 3 mil quilômetros de percurso desde sua nascente no Chapadão da Canastra, em São Roque de Minas, até desembocar no Atlântico unindo Sergipe e Alagoas. Os rios não dividem, assim como as ruas e estradas, mas unem!

Com abraço fraterno, votos e preces de Paz e Bem para viver com renovado fervor a comemoração dos 160 anos de criação e vida da nossa paróquia.

 

+ Mauro, outrora bispo e fundador da diocese de Duque de Caxias, ora missionário na Canastra.

 

Padre Dênis Cândido da Silva

Pároco

Diocese de Luz MG

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.