Notícias › 29/10/2018

Ecologia Integral à luz da Laudato Sí’ na CFFB Norte 2

No dia 04 de outubro de 2018, foi realizada a Conferência da Família Franciscana do Brasil- Regional Norte 2 (CFFB-RN2) Núcleo Óbidos, no Centro Educacional Bom Pastor, em Óbidos-PA. Na ocasião estiveram presentes religiosos e religiosas, lideranças cristãs, leigos e leigas da Diocese de Óbidos, para um momento de espiritualidade Franciscana e reflexão sobre o apelo do Papa Francisco na Encíclica Laudato Sí “Sobre o cuidado da casa comum”.

Desse modo, Moema Miranda assessora da REPAM (Rede Eclesial Pan-Amazônica) e facilitadora da conferência, abordou o seguinte tema: “Ecologia Integral- à luz da Laudato Sí’” onde foi discutido e apresentado de maneira didática, por meio de atividades reflexivas, os problemas que afligem os povos da Amazônia, no que diz respeito às degradações ambientais e desenvolvimento irresponsável, e ainda maneiras para combater e diminuir os impactos dessa crise ecológica ocasionada pela ação humana.

“Olhando de fora um pouquinho, nós humanos e a terra somos um, nós somos terra, como diz o Papa Francisco no início da Encíclica Laudato Sí’. Então, a crise ecológica, a crise ambiental provocada pela ação humana no planeta começou a despertar muitas consciências e dentre elas a do Papa , e por isso ele se tornou, talvez, o maior porta-voz desse clamor. Quando o Papa Francisco lançou o chamado Sínodo para a Amazônia, que vai acontecer em outubro do ano que vem, que é um momento muito importante em que a Igreja se coloca em escuta aos povos da Amazônia, ele disse que a Amazônia é uma terra disputada, nunca os povos originários, os povos dessa região viveram um confronto e uma ameaça tão grande, porque a Amazônia é disputada pela avidez insaciável do grande capital e ele nomina os interesses da mineração, do agronegócio, do petróleo, do gás, do que se chamou recurso natural e que os povos todos chamam de bem comum, nessa convivialidade entre os povos e a natureza.” disse Moema, ao explicar sobre a preocupação do Papa com os problemas ambientais do planeta e, sobretudo, com os povos da amazônia, e continuou “…o papa Francisco diz que nós temos que repensar o nosso modo de ser e estar no mundo, porque existem vencedores e vencidos e temos que ter consciência crítica de a quem me interessa? Quem se beneficia? Quem de fato se enriquece com o uso abusivo dos bens que Deus dispôs pra toda vida, para os seres humanos e não-humanos nessa imensa fraternidade”, completou.

Questionada sobre quais seriam, na visão dela, os principais desafios para essa consciência ecológica, Moema respondeu: “Então, eu acho que tem vários desafios e o primeiro deles é a consciência dessa crise, trazer à consciência a disputa, quem disputa, e fazer uma opção de por onde nós caminhamos em relação a isso; o segundo é compreender que existem sim formas de viver, conviver e viver super bem, não é viver mais ou menos bem é viver super bem, que é reconhecendo as outras formas de economia que já existem, questionando como é que os ribeirinhos vivem aqui há tantos anos sem depredar? Como é que os indígenas vivem há tantos anos sem depredar? Como é que os jovens da cidade podem então aprender essa nova forma de viver? Então, acredito que reconhecer é esse segundo elemento. E, talvez, um terceiro desafio seja a partir daí juntos irmos criando redes que nos permitam defender uma forma de ser e estar na Amazônia para os seus povos, para a sua floresta, para o seu Rio e para todo o planeta.”

Escrito por Daniele Vieira

Fotos de Francisco Garcia

Setor Diocesano de Comunicação Midiática – SEDCOM

Disponível em Diocese de Óbidos

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.